domingo, 14 de março de 2010

A Escola e a Família

A família é uma parceira muito importante para a escola, já que ela garante que tudo que é trabalhado terá continuidade em casa, onde o aluno passa a maior parte do seu tempo. Mas esta é uma realidade que se altera cada vez mais.
Primeiro que esta parceria, apesar de continuar importante, já não é tão real, visto que não encontramos pais ou mães dispostos a um convívio intenso com a escola onde o filho estuda, talvez um ir deixar ou buscar, quando não é feito por parentes, amigos ou transporte escolar. Isto se torna notório numa reunião onde os poucos constantes são os que aparecem, tornando quase impossível de falar com aqueles pais nada ou pouco acessíveis, mas que têm filhos que denotam uma atenção especial.
Segundo que garantir a continuidade do trabalho está difícil num ambiente não escolarizado, não letrado, onde o livro é um objeto sem prestígio algum. Esta é a realidade de muitas famílias onde nossos alunos estão inseridos e esperar que o trabalho seja também ali realizado, é meio que inapropriado.
Terceiro este passar a maior parte do tempo já foi fragmentado. Os pais desejam que seus filhos estejam em algum lugar, menos em casa. Eles já não estão. Daí ou a escola assume o papel ou a rua pode fazê-lo com toda a competência. Assim crianças e adolescentes passam muito tempo fora de casa.
Vemos, portanto, que cada vez mais a escola está assumindo os papéis dos pais, do lar, da casa, do psicólogo, do amigo. E sorte da criança ou do adolescente, quando isto acontece. Caso contrário, alguém irá fazê-lo e talvez o resultado não seja bom.
A escola necessita da parceria familiar, mas, quando não acontece, tem que assumir o papel. E não adianta um discurso de que não deveria ser assim, porque quem vai ficar sem referência são alunos que, muitas vezes só passeiam, lêem e recebem limites no ambiente escolar. Pelo menos nele, felizmente!

10 comentários:

  1. Fatos reais, esses dissecados aqui.
    A estrutura básica da educação, formada pelo duo família-escola, está enfraquecida em ambos os membros!
    As escolas estão sendo desfiguradas na sua principal finalidade e a figura do professor, elemento mais importante deste processo, está sendo cada vez mais desvalorizada e desrespeitada pelo governo, pelos alunos e seus pais.
    E nos lares "modernos", cada vez mais licensiosidade, omissão e falta de bons exemplos! Essa mentalidade de "proibido proibir" divulgada por alguns "geniais" intelectualóides no final do século passado deu o apoio para a atitude neutra dos pais, que agora se esquivam de fazer a sua parte na educação dos filhos!
    E o pior é que não vemos mais vozes se erguendo para esclarecer e denunciar!
    Vozes como a tua!
    Um abraço, Francilangela!

    ResponderExcluir
  2. Estudo Letras e faço estágio em uma escola...entendo...é complicado ser professor...que pena..uma profissão tão linda e tão desvalorizada...

    Olá...Sou escritora e estou sorteando meu livro no blog
    Venha participar com a gente!
    O livro é a respeito de cinco personagens que viajam pela Amazônia. Tem romance, aventura, mistério, conflito pessoal, amizade, fatos históricos riquíssimos! Tudo isso em terra Tupinambá! Aproveite.
    Bjs - A autora
    http://amazoniaumcaminhoparaosonho.blogspot.com/
    “Às vezes sentava-me na rede, balançado-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo. Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante." (Felicidade Clandestina, Clarice Lispector)

    ResponderExcluir
  3. É uma realidade,querida Fran,mas acontece que determinados pais além de não estabelecerem limites para os filhos,não admitem que a escola o faça,em nome de uma liberdade que se confunde com licenciosidade.
    Hoje em dia,agradeço a Deus por estar aposentada pois não conseguiria conviver com estes alunos atuais que não respeitam os professores e os tratam como se seus servos fossem.E como não sabem tratar as pobres pessoas que trabalham em suas casas,este tratamento é o pior possível,baseado no conceito
    "estou pagando"...falo com conhecimento de causa
    porque uma das escolas de minha cidade elaborou e distribuiu uma circular a este respeito.
    Obrigada pelos carinhosos comentários em meu blog.
    Bjsssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
  4. Bom dia vim agradecer a sua linda visita. seja muito bem vinda ao meu cantinho!
    Tenha um lindo domingo, Abraço fraterno maria Alice
    visite
    www.mariaalicecerqueira.com

    ResponderExcluir
  5. Olá Francilagela. Concordo plenamente com você. Estou cursando o segundo ano de Pedagogia, e faço estágio em uma crêche. Trabalho com o berçário. Bem faz seis meses que estou lá e tem uma bebê de apenas 7 meses que eu jamais vi a mae e nem o pai. Ela vem e vai de van, acho uma judiação. É isso mesmo os pais que são os maiores responsaveis pela criança,e infelizmente muitos já não estão nem ai. Imagina você deixar o seu bebê em uma istituição e não ter tempo nem um dia sequer saber se ele está sendo bem cuidado,e nunca usar nem o telefone. Os primeiros valores se aprende em casa, a bagagem para toda vida vem de casa. Carinho, atenção, respeito tudo vem do berço. Assim fica muito difícil educar, pois a educação começa na familia. Um grande abraço para você querida e amo o que escreve.

    ResponderExcluir
  6. Olá Francilagela, obrigada querida pela presença. Gostei miuto de ter ver por lá. Concordo com seu texto. A familia e a escola é uma parceria muito mportante.Vou seguir seu blog pra voltar outras vezes, convido que faça parte dos membro la do meu. Beijos e ótima semana.

    Smareis

    ResponderExcluir
  7. Oi Francilangela, bom final de semana para vc!

    ResponderExcluir
  8. Em sua caixinha de sentimentos não deixe faltar: o perdão, a solidariedade, a compreensão, a tolerância, o carinho, o abraço amigo e acima de tudo o amor.
    Compartilhe-os, verá que em pouco tempo a caixa se tornará pequena, pois tudo retorna.

    Obrigada pela visita e comentário no Clube!
    Volte sempre!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. É preciso que conheçamos as razões pelas quais as famílias não têm correspondido ao que nós educadores esperamos enquanto sua participação na escola. Para tal, precisamos nos despir da postura de juízes que condenam sem conhecer as razões e incorporarmos o espírito investigador que busca as causas para o desconhecido.

    Grande abraço
    Adorei seu texto
    se cuida

    ResponderExcluir
  10. Olá, vim agradecer a sua visitinha, obrigada...e vou ficando por aqui também viu...beijos floridinhos para você...

    ResponderExcluir